Gelatinaram o mar

aguasvivas

Águas-vivas gigantescas, do tamanho de geladeiras, infestaram a costa do Japão. Eram tantas, e tão imensas, que foi preciso fechar temporariamente algumas usinas nucleares que abastecem Tóquio de eletricidade. Navios, usinas de dessalinização e mineradoras também já tiveram que parar suas operações para limpar suas entradas de água, entupidas de águas-vivas. Na Irlanda do Norte, em novembro de 2007, uma invasão de pequenas águas-vivas deixou a água vermelha. Ao longo da costa norte-irlandesa, populações inteiras de salmão morreram sufocadas.

Muito se fala do quanto as mudanças climáticas prejudicam espécies mundo afora. Mas nem todo mundo é prejudicado pelas temperaturas mais altas e pelo clima mais imprevisível e violento. Algumas espécies se dão muito bem. Mosquitos, por exemplo. Baratas adoram. E, ao que tudo indica, águas-vivas também.

É o que eu descobri numa reportagem assustadora publicada na revista Earth Island Journal, cuja sede fui visitar na semana passada em Berkeley, Califórnia. A matéria diz que, na verdade, ninguém tem certeza de que águas-vivas estão mesmo proliferando – basicamente porque não tem jeito de contar esses bichos quase invisíveis que passam parte de suas vidas escondidos no fundo do mar na forma de pólipo. Suas populações variam demais naturalmente. Mas todo mundo que acompanha-os de perto concorda que as infestações catastróficas, como as descritas acima, estão ficando cada vez mais frequentes.

Não faltam razões para isso:

  • Elas gostam de água quente. Tradicionalmente proliferam em águas tropicais. E o aquecimento global está tropicalizando o mundo.
  • Elas competem contra os peixes por plâncton. Como estamos acabando com os peixes, elas fazem a festa.
  • O homem criou várias “zonas mortas” no mar. São bocas de rio, que desembocam um monte de poluição. Essa poluição faz proliferarem algas, que tapam a luz do sol e matam o fitoplâncton. Sem fitoplâncton, os peixes morrem ou mudam. Essas “zonas mortas” são dominadas por águas-vivas, que prosperam sem competição.

Enfim, o clima é um sistema complexo. Quando se altera um sistema complexo, como a humanidade está fazendo agora, há um monte de consequências, algumas delas totalmente imprevisíveis. Parece que a proliferação de águas-vivas vai ser uma delas, para azar dos peixes e dos banhistas.

Enquanto isso, um chef sino-britânico chamado Joe Lai desenvolve receitas com águas-vivas. Segundo ele, elas são altamente protéicas, mas quase não têm gordura. Enquanto não descobrirmos um jeito de eliminarmos a causa da praga das águas-vivas – o efeito estufa – só nos restará aprender a comê-las.

Foto: tirei no aquário de Monterey, Califórnia

Anúncios
17 comentários
  1. Rogério de O. Soares disse:

    Já vi uns 3 documentários diferentes sobre aguas vivas no Japão. Lamentavelmente mais uma vez a natureza depende do arrefecimento da ira por energia desnecessária do homem.
    Denis
    Em si tratando de Japão, pais q dá carne de baleia na merenda escolar somente um novo olocáusto em suas cabeças seria capaz de convecelos que sua depredação oceanica é errada e causa esse desiquilibrio.

    Abraço aos leitores

    P.S.: Mas pra quem enterrava crianças de creche chinesas vivas sobre a terra socadas com coturnos militares vc. ñ pode esperar muita coisa. Mudança de cultura e mentalidade é a saída, queria ser tripulante do Sea Shepherd pra dá na cara desses cachorros

  2. Rogério O. Soares disse:

    Em tempo:
    Na verdade não é energia desnecessária mas sim energia ineficiente.

  3. Rogério O. Soares disse:

    Cadê? Onde está o grupo de linchamento? Estou aqui no muro esperando vcs com um caco de vidro. Tão com medo?

  4. Felipe Maddu disse:

    Vamos linchar o Rogério! Pra ele aprender a escrever corretamente hehe. Quanto ao Japão concordo com a ideia de que são predadores do mar. Óbviamente não sou à favor de outra enola gay´s bomb, contudo abomino essas ações marítimas. Inclusive eles já chegaram a pescar baleias na costa brasileira.

  5. Rogério O. Soares disse:

    Maddu faz fracas intervenções mas é divertido pelo menos hehe

  6. Rogério O. Soares disse:

    Não se trata de concordar comigo como um zumbi sem cérebro Dudu, mas mostrar o por que considerar tradições culturais para manter esse tipo coisa. Estaríamos invadindo questões além de nossa jurisdição moral? Acho que não. Espero que apareça alguém para advogar por estes anemicos falciformes.

  7. Bruno disse:

    Olá Denis, é a primeira vez que visito seu blog, e já digo que foi muito por acaso.
    Bom, sobre o tema da matéria, águas-vivas, algumas semanas atrás assisti um programa que tratava exatamente sobre esses bixos na costa do japão, e lá foi dito uma coisa interessante.
    Alguns anos atrás, ocorreu uma infestação deste tipo lá mesmo, e a primeira reação do governo local foi “ordenar” matança em massa das águas-vivas… Pouco depois descobriram que esses bixos, quando em situação de ameaça, a primeira reação deles é liberar “ovos” (não lembro exatamente, mais sei que a reprodução é assexuada) que podem ficar no fundo do mar durante vários anos até darem vida a um novo bixo da espécie.
    Abraços

  8. denis rb disse:

    Exato, Bruno.
    Esse é um dos motivos de eles serem espécies oportunistas, que se dão bem em momentos de crise ambiental.

  9. jorji disse:

    Resposta para o Rogerio de O. Soares, os brancos ocidentais cristãos jamais cometeram atrocidades, essa mania de dizer que tomaram a America e dizimaram os índios é mentira, a inquisição, o holocausto, Vietnã, Hitler, Stalin,Nero,etc, tudo fantasia, o povo ocidental é tudo decente, honesto, impressionante, jamais cometem erros, uma raça extremamente superior, culta, inteligente…………………hummmmmmmm, pense no que vou te dizer, o ser humano vai ter o fim que merece.

  10. Leandro disse:

    Caríssimo Denis, compartilho este artigo com você e os colegas leitores. É um ponto de vista interessante.

    “A propriedade privada e a lógica de mercado são úteis para o equilíbrio entre desenvolvimento econômico e preservação ambiental. Não sou ingênuo ou utópico ao ponto de considerar que nenhum desmatamento deva ocorrer. “

  11. Rogério O. Soares disse:

    Boa jorji
    Isso era exatamente o que esperava
    Abraço

  12. Rogério O. Soares disse:

    Mas admiro sua cordialidade pensei que eu ia levar uma espadada na cabeça, mereço sua chamada.

  13. Felipe Maddu disse:

    O Jorgi esquartejou o Rogério, desculpa ae

  14. Rômulo disse:

    É mais um sinal de que nossas ações alteraram significativamente o equilíbrio natural. Onde vai parar? Boa pergunta…

  15. paraxaba disse:

    bom.fico aliviado.o fenomeno nao tem relaçao com a intervençao do homen na amazonia.

  16. denis rb disse:

    O jeito como lidamos com a Amazônia é o maior problema ambiental do Brasil (mas não é o único do mundo, claro). Não siginifica que estou culpando os moradores da floresta pelo problema. Longe disso: todos os brasileiros comedores de soja e carne ou usadores de madeira (enfim, praticamente todos os brasileiros) temos parte na história.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: