Seja a mudança

shirky

A frase é de Gandhi: “seja a mudança que você quer ver no mundo”.

Não, não esqueci do que aprendi na faculdade de jornalismo: jamais começar um texto citando Gandhi, Einstein ou Chaplin se você quer ser levado a sério neste mundo cínico. Sim, esse pessoal fala coisas bonitas, mas eles não são “pragmáticos”. São “ingênuos”, desconectados das realidades do mercado, ignorantes das sujeiras da política, sonhadores, poetas, bobocas.

Mas não resisti. Lembrei de Gandhi quando estava lendo um outro autor, Clay Shirky, um teórico dedicado a entender as mudanças que estão acontecendo no mundo hoje em dia (autor do ótimo livro na foto acima). Shirky tem uma tese interessante: a de que, quando uma grande revolução acontece, as velhas estruturas desabam rapidinho, mas demora anos, às vezes décadas, para as novas estruturas surgirem (quando Gutenberg inventou a imprensa, os escribas reclamaram por décadas da baixa qualidade da escrita que isso provocou).

É exatamente isso que está acontecendo hoje em dia. Institiuições antigas, aparentemente eternas, estão desabando – os grandes jornais do mundo estão em crise de identidade, a indústria automobilística está tendo que se reinventar, os governos têm que redefinir sua atuação, as profissões mudam todos os dias. Estamos perdidos, sem referências, sem ter no que acreditar. As ideologias do século 20 se transformaram em teorias sem conexão com o mundo real.

Isso é tremendamente angustiante. De repente, tudo aquilo em que acreditávamos está evaporando. O mundo está mudando tão rápido, todos os dias, que fica difícil ter crenças. Fica difícil saber o que é certo e o que é errado. E os cínicos – esse pessoal que adora apedrejar qualquer um que esteja bem intencionado – fazem a festa no meio da confusão.

Mas o fato é que viver no meio de uma revolução, se por um lado é complicado, é também um baita privilégio. Significa que vivemos uma época de construir coisas, de criar, de propor. Não é hora de ser cínico. Não temos tempo para isso. Nossa geração tem um papel fundamental: o de criar as estruturas sobre as quais se assentará nosso novo modelo de sociedade.

Esse trabalho – o de reconstruir o mundo – é um empreendimento coletivo. Nesse mundo de hoje, absurdamente fragmentado, no qual qualquer pessoa tem acesso ao resto do mundo via internet, todos têm um papel – não apenas os políticos, os empresários, os intelectuais, os “líderes”. Todos nós estamos envolvidos no projeto coletivo e inevitável de mudar o mundo.

O mais divertido é que não há cartilha para seguir. Ninguém sabe para onde ir. Depois da queda do muro de Berlim, do colapso do clima e da crise mundial, restou apenas uma certeza: a de que precisamos de um rumo novo. Que rumo é esse? Cabe a cada um de nós propor. O resultado, imprevisível, será a combinação de bilhões de contribuições.

Nosso papel então é imaginar o que queríamos que o mundo fosse e trabalhar para implantar essa visão. No final, certamente o mundo não vai ser como eu quero, ou como você quer. Mas cada um de nós tem a capacidade de empurrar um pouquinho a História para o lado que prefere. Tem gente fazendo isso em tempo integral, trabalhando por uma causa, por uma ideia, por uma inovação, por um projeto. Tem gente fazendo isso de noite, depois de voltar do trabalho. Tem gente fazendo isso nas horas de lazer. Tem gente fazendo isso nas relações pessoais, na vida em família, no bairro, no trânsito.

Tem gente fazendo coisas imensas, importantes, transformadoras. Tem gente colaborando com o pouquinho que está ao seu alcance. Eu, por exemplo, sinto-me bem ao andar de bicicleta em São Paulo porque sei que, estatisticamente, quanto mais bicicletas houver na rua, mais seguro o trânsito será para todos os ciclistas. Temos esse poder: o de alterar a paisagem. Cada novo ciclista na rua melhora a vida dos outros.

É uma contribuição minúscula, mas é isso que nos resta neste mundo, e devíamos ficar satisfeitos. É uma boa notícia. Não há mais grandes ideologias. Não há mais grandes autoridades. Só o que há é isso: um conjunto de bilhões de pessoas, cada uma delas modificando um pouquinho a paisagem. Se a maioria de nós ficar imobilizada pela ansiedade e pelo olhar crítico dos cínicos, construiremos pouco. Se cada um fizer seu pouquinho, temos boas chances de ficarmos bem orgulhosos do resultado.

Anúncios
61 comentários
  1. Luciana Corrêa disse:

    Little less conversation and more action baby!!! Boa semana pra todos!!!! A vida é boa!!

  2. Luiz Carlos Pôrto disse:

    Outra frase de Gandhi: “não é preciso entrar para a História para fazer um mundo melhor”.

  3. Chesterton disse:

    “Os cínicos apedrejam os bem intencionados”…mas isso é o cúmulo da auto-indulgência.

  4. Tereza disse:

    Voce nao tem medo de andar de bicicleta em Sao Paulo? Eu morro de medo dos motoristas dos carros!!!

  5. Chesterton disse:

    “Todos nós estamos envolvidos no projeto coletivo e inevitável de mudar o mundo.”
    – Me inclui fora dessa.

  6. denis rb disse:

    Hahahahaha. Chesterton sai com sua armadura prateada e lança em riste, em defesa dos cínicos!

  7. Gabriela disse:

    Tenho 6 anos, minha tia está digitando para mim. Quero agradecer aqueles que pensam em contruir um futuro melhor para mim morar, ter uma vida digna e feliz!
    Obrigada!!!

  8. Gabriela disse:

    Também quero participar dessa construção….

  9. Marcelo disse:

    O Chesterton não quer mudar o mundo. Será que ele acha que mundo já é perfeito e não precisa mudar? Ou será que se considera um realista que entende que nunca poderia mudar o mundo?
    Em todo caso ele apenas se soma ao exército de cínicos e desiludidos que só atrasam as boas mudanças. Se pudesse te daria um pouco de esperança. A minha nunca morre.

  10. Milene. disse:

    Quero, como a Gabriela e não como Chesterton, participar dessa construção.
    Mas por favor, cuidado nessa bicicleta!

  11. jorji disse:

    O mundo muda, sempre muda, eternamente muda para que tudo continue como sempre foi. Óutra frase do meu amigo Gandhi, não importa o caminha que escolhamos, sempre estaremos na encruzilhada.

  12. denis rb disse:

    Exato, jorji.

  13. Felipe Maddu disse:

    Também fico feliz de que há pelo menos dois anos posso ajudar com uma bicicleta à mais e um carro à menos na megalópole SP. Só fico perdido no sentido de querer fazer mais, só que às vezes sinto-me impotente e até pessimista, com vontade de não pensar em mais nada.

  14. denis rb disse:

    Também tenho disso, Felipe Maddu. Tem tanta coisa que é possível e tão pouco que dá tempo. Mas a gente tem que aprender a não sofrer com isso – a ficar satisfeito com o pouco que dá.

  15. N.Carrara disse:

    Que meleca pessoal ! O texto é muito maior que isso, chega a ser…brilhante !
    É um jeito de “identificar” o momento, tomar ciencia dêle, onde tudo parece estar invertido, o certo nem sempre está certo, e o errado idem…
    Melhor de tudo quando diz que ” não há cartilha a seguir” ! É a vida, mais imprevisível e
    angustiante que nunca ! Mais “rasgada” e cativante que nunca ! Dura, encardida !
    Enquanto uns raclamam, outros fazem !
    Sempre positivo, sempre honesto consigo mesmo !
    E uma grande dose de inveja (amiga) do tal do Denis, que escreveu o texto, inteligente, leve, exato !

  16. carlos disse:

    Denis, vc deveria praticar o que aprendeu na faculdade. Citar Gandhi, Einstein e Chapelin é mal mesmo. Faltou Jesus e Froide. Pessoalmente fico com Marx e Darvin.
    Einstein foi uma mentira. Leia entrevista de Lattes. Criou uma religião com a velocidade da luz.
    Gandhi foi um messias que prejudicou a India. Pais onde uma elite tem tudo e o povo dorme ao relento. Não mudou nada depois dele.
    Na minha opinião, a tese mais aceitável para as mudanças que a gente quer, esta no materialimo dialético. A internet, assim como a enegia elétrica ou a máquina a vapor, é o novo “messias”. Essas coisas fizeram e ainda fazem o mundo mudar.
    Quanto as bicicletas, fico com Diogo Mainarde.

  17. denis rb disse:

    Legal saber que você também pedala, carlos.

  18. Suely Cárceles disse:

    Ola Denis!
    Adorei o texto e tem tudo haver com o site que montei com meu irmão, um pouquinho
    de cada um, no seu lugar, com seus recursos, e esse mundo tem jeito!!!
    O site é:
    http://www.orbitas.com.br
    Adorei!
    abs
    Suely

  19. paraxaba disse:

    oi denis
    parece que caiu a ficha.ficar olhando para amazonia.nao vai resolver os problemas anbientais,que sao muitos.nas grandes cidades.se voces conseguiren resolver parte deles.terao uma melhor qualidade de vida.quen ta respirando enxofre.são voces..
    quantos ao cinicos.inventaram a sindrome do aquecimento global.criaram um panico geral.isso ta virando paranóia.e é prejudicial a saude mental.

  20. Rodrigo Vieira da Cunha disse:

    Dênis, nosso poder individual é muito maior do que imaginamos. Nossos atos são capazes de grandes tranformações, principalmente pelo exemplo. A gente é que nem sempre se dá conta. Estou com você nessa. Abraço

  21. hacs disse:

    O mundo deve estar em convulsao, as pessoas ja nao sabem o que fazem ou dizem, as contradicoes estao em moda, uns chamam isso de revolucao, outros de decadencia, e alguns veem uma transicao ciclica entre o pos isso e o pos aquilo, em direcao ao pre algo que valha a pena defender. Os barbaros, como sempre aa solta, ganham visibilidade em meio ao caos, sendo, de fato, os agentes da destruicao, sempre dispostos aa negacao, aas vezes de olho em alguma utopia, aas vezes de olho em ganhos pessoais, aas vezes mera autoafirmacao, ou entao narcissismo, mas muitas vezes eh pura falta de visao mesmo. Na cegueira profunda, imersos em suas compulsoes e instintos, idolatram suas idolatrias e a si mesmos por te-las, ou ao simples fato de nao te-las, e a si mesmos, novamente, por nao te-las. Dessa posicao essencialmente prepotente, e de posse de algumas ideias que nao entendem, proclamam suas verdades, paradoxos teoricos, retoricos e historicos. Felizmente, o pos se torna pre, novos valores se firmam, e esses agentes retornam aa insignificancia. Destruicao-criativa no plano das ideias (ou memes – Richard Dawkins)? Ciclos sociais (Sorokin)? Nao sei. Mas, por favor, nao citem Marx e Darwin na mesma frase…

  22. carlos disse:

    Oi Hacs. Darvin/wolasse esta para Marx assim como jesus esta para gandhi. São antagônicos. Mas tenha uma certeza, o mundo seria exatamente igual ao que é hoje se esses ícones tivessem ou não existido. Essa tese é do próprio marx.
    Denis. Concordei com voce sobre a internet. Ela sera, nesse momento, a grande formação do censo comum sobre tudo. Voce viu a entrevista de lattes sobre einstein?

  23. Marcelo disse:

    Jesus e Ganghi são antagônicos? Em que sentido? Em que momento Karl Marx afirma que a história não seria diferente sem grandes gênios que promoveram verdadeiras revoluções em suas àreas de estudo?

  24. Chesterton disse:

    Existem coisas mais importantes na vida, e mais urgentes, que ficar sonhando por um “mundo melhor”. Ajudem a difundir essa denúncia:

  25. Chesterton disse:

    Denis, colapso do clima? O clima está ótimo lá fora.

  26. Jean disse:

    Um cara como o Chesterton não chega ser chato, pq de tão ridículo chega a ser engraçado!

    Um cara que lê o seu blog, comenta mais de uma vez, e não gosta do que você escreve, ou é ruim das idéias ou tem uma vida medíocre demais par cuidar. kkkkk

  27. carlos disse:

    Marcelo. As filosofias de jesus e gandhi são iguais e antagonicas a de darvim e marx. Jesus é uma instituição criada pelos romanos, nunca existiu.
    A teoria de marx é o materialismo dialético, cujo motor é a luta de classes. Para os materialistas, os genios não valem nada. O que muda o mundo são os meios, a economia, a tecnologia, as invenções. Assim, a invenção da maquina a vapor e não o gandhi fez o mundo mudar. A internet é o novo messias que fatalmente mudará a cabeça das pessoas.

  28. Laura disse:

    Eu penso exatamente como você, pequenas ações individuais já são melhor que nada e com certeza já mudam alguma coisa. Pequenos hábitos instalados no dia a dia de uma comunidade, e passados adiante geram uma nova cultura!
    E boas idéias devem ser difundidas. Em Paris vemos freqüentemente grupos reunidos na saída das estações de metro, bradando suas idéias (em geral políticas… ) com cartazes, espalhando panfletos. Melhor do que ficar só discutindo com os amigos em torno de uma cerveja…. 😉 Com certeza vai ter alguém prestando atenção.

    Obrigada pelos seus textos !

  29. Iris disse:

    Sou fã dos teus escritos desde a época que tu escrevia na Vida Simples!
    É muito bom encontrar ecos das boas ideias por esse mundão afora. Parabéns pela sua contribuição Denis!
    Abraços

  30. Marcelo disse:

    Carlos o que vc disse não está inteiramente correto.
    O Materialismo Dialético de fato defende que na origem das mudanças históricas está a realidade material na qual os homens estão inseridos sendo a luta de classes o principal vetor de transformações estruturais nos sistemas políticos e ecônomicos. Mas esta teoria não despreza a ação de pensadores, sobretudo aqueles grandes formadores de opinião que estão por trás das grandes mudanças paradigmáticas, como é o caso de Darwin e do próprio Marx, que, diga-se de passagem, é um dos responsáveis pelo surgimento do Estado de bem-estar social, ou se preferir, Welfare State. link na wikipedia aqui: http://pt.wikipedia.org/wiki/Welfare_state.

    A corrente historiográfica materialista dialética sugere um esquema de desenvolvimento histórico onde os paradigmas que controlam e regulam a organização das forças produtivas e, sobretudo, a distribuição da riqueza vão sendo confrontados pelas suas próprias contradições. No campo das idéias esta interpretação do desenvolvimento histórico pode ser ilustrado assim: Uma “Tese”, o paradigma vigente, sustentado pelas diversas instituições que regulam a sociedade como a religião, as instituições educacionais, os sistemas econômico, político e jurídico e etc é confrontada com sua “Antítese”, uma tentativa de superação, uma alternativa que sempre se supõe mais acertada do que o modelo vigente e este confronto dá origem a uma “Síntese”, Um novo paradigma que tem características de ambos os modelos. Este novo paradigma, via de regra, tbm se confrontará com uma Antítese dando continuidade ao processo histórico. Neste processo a ação de pensadores que questionam os paradigmas vigentes e propõem alternativas é imprescindivel para o progresso material, humano e intelectual de uma sociedade.

  31. Marcelo disse:

    P.s. Eu não diria que Jesus é apenas uma instituição criada pelos romanos. O pensamento cristão está na raiz da formação cultural ocidental e sobreviveu a grandes mudanças sociais e paradigmaticas, já condenou o lucro dos comerciantes, a usura, defendia o geocentrismo, a tortura contra os “blasfemadores” a guerra contra os infiéis, etc.”paradigma” é um dos conceitos mais importantes neste post, o que o Denis propõe é o questionamento de paradigmas vigentes e a proposição de alternativas.

  32. Marcelo disse:

    Jesus, Gândhi, Marx e Darwin, todos, à sua maneira, questionaram grandes paradigmas vigentes em sua época, todos influenciaram a história.

  33. Felipe M disse:

    Índios que “interram” chest? E a igreja que queria enforcar “uma pessoa” porque ela disse que a Terra era redonda, sem contar outras atrocidades da inquisição, guerras, massacres, devastação??? Você absolutamente não vive nesse mundo, é esquizofrênico? Os índios estão sendo massacrados, agora os evangélicos tb fazem as evangelizações de antigamente, como os católicos-apostólicos faziam antigamente. O massacre cultural está sendo perpetuado pela nossa sociedade hipócrita.

  34. carlos disse:

    Marcelo. Sou um auto didata, portanto, tento simplificar meu pensamento sem muitos termos técnicos.
    Jesus, assim como o casamento, o direito penal, o direito civil, etc., é uma instituição criada pelos romanos, todas já duram mais de dois mil anos. Roma decadente e prestes a entrar em guerra civil, criou o cristianismo. Seus dógmas foram fabricados na idade média.
    Se vc entendeu mesmo a teoria de marx, formulada dentro de um processo histórico, onde outros pensavam como ele, concluirá que os chamados grandes pensadores são irrelevantes. Darvin, que era católico, só publicou sua tese quando recebeu um trabalho de wolasse com as mesmas conclusões que a sua.
    Se não fosse bethouvem, talves não tivéssemos a 9 sinfonia, mas fatalmente outro escreveria algo parecido. Talvez shulbert, ou thaikovisk.
    Poderíamos classificar como um gênio alguem que hoje inventasse um remédio que curasse rapidamente qualquer tipo de cancer. Seria um passo muito grande dentro dos meios que temos. Mas talvez, daqui a 50 anos, será perfeitamente possível inventar esse remédio. Muitos cientistas participarão dessa descoberta.
    Quem entendeu marx, sabe que o socialismo real esta nascendo em pais de primeiro mundo e não em cuba.
    Portanto, a internet e outras tecnologias que virão, farão o mundo mudar e melhorar cada vez mais.

  35. Marcelo disse:

    Carlos, eu estudo história na UFPE (não que isso seja laá grande coisa…) e nem eu, meus colegas ou professores que pesquisam esta área a fundo afirmam que os “Gênios” (termo um tanto simplista para caracterizar estas pessoas que se atrevem a enfrentar o Zeitgeist) são irrelevantes. De certa forma vc afirma que a História se desenrola por si só em um caminho pré-determinado e independente da interferência humana, sobretudo das contribuições individuais. Eu discordo em absoluto desta teoria.

  36. Danielle disse:

    Thank you for this. What you say is true. Please translate into English and put it out there ASAP. We need the good vibes and the vision, and the sense of possibility to be noted and encouraged. Obrigada.

  37. Hèlter Freitas disse:

    That´s it! Yes we can change !

  38. Bel disse:

    Vou fazer uma provocação:
    Eu não entendo porque os alunos tem tantas aulas de história, eles precisariam mais de aulas como ética, lógica, humanidades e porque não noções de direito? O que a história traz para eles, o que ela ensina? guerras, manifestações e lutas… é o que vemos impregnado nos jovens hoje, desde cedo já sabem exigir direitos,aprendem a lutar. Só que hoje se luta pelo individualismo ( pela vontade caprichosa de alguns grupos )e não pelo social.

    Antes de exigir direitos e lutar por algo, é preciso saber o que são direitos, quais os direitos, por que os direitos foram criados e por que respeitá-los. Se aprendessem primeiro algumas questões básicas como a importância do respeito e de se cumprir obrigações, talvez haveria bem menos motivos, para exigirem seus direitos e nem seria necessário tantas lutas.
    Será que a solidariedade não é mais útil e transformadora do que as lutas de classes? Será que Marx não se enganou na sua teoria científica?

  39. Bel disse:

    Não acho que os evangélicos fazem evangelizações como antigamente, o homem é o mesmo de sempre, a tecnlogia evoluiu, mas o homem não! A animalidade ainda assola a natureza humana,só mudaram -se as ferramentas que, hoje, são mais modernas . Se não tiver a orientação espiritual muitos homens se devoram vivos ( fisicamente, é claro, porqueo resto muitos já o faz…)

  40. Bel disse:

    Só mais uma coisa, será que o capitalismo e o socialismo não se encontram ultrapassados em pleno séc. XXI.
    Capitalismo, hoje selvagem, um devora o outro, uns poucos com muito e muitos com nada, desequilíbrio social forçado.
    Socialismo: se dividir tudo igualmente, sempre haverá alguns com criatividade e com ambição( positiva) e outros que não querem fazer nada, querem vida fácil, venderão tudo o que tem aos ambiciosos e estes darão um jeito de comprar mais. Desequilíbrio social natural.
    Estamos diante de um novo tempo, hoje a humanidade carece de humanidade…

  41. Felipe Maddu disse:

    Os evangélicos tão fazendo até pior Bel….Eu tenho um amigo que trampa na Funai, ele até saiu numa matéria da trip sobre jovens ativistas -> http://revistatrip.uol.com.br/revista/182/direto-do-front.html. Na nossa sociedade até vai, mas eles estão tentando catequizar os indios lá no meio da amazônia, pra quê? Já do outro lado do oceano temos em Londres, conforme minha irmã me disse, em torno de 20 igrejas universais. Lá há até uma briga, pois um famoso teatro ou cinema, palco de shows do Beatles, rolling stones estava quase virando mais uma “igreja”. Até Mick jagger estava na turma contra esse crime contra a história. E Bel só se for orientação e$$$$$piritual mesmo…

  42. Felipe Maddu disse:

    Bel, se fosse assim quem faz direito só ia sair da faculdade santo e cumpridor de todas leis, mas vai ver os advogados do diabo espalhados pelo País, tem um enxame deles por aí tentando arrancar dinheiro de algum coitado. Direitos e deveres tem que seguir paralelamente, em harmonia, e desculpa Marx tá cada vez mais certo viu hehehe

  43. Chesterton disse:

    Felipe, esse filme foi feito por índios sobreviventes aos rituais de morte por crenças ancestrais. A Igreja Católica, infelizmente, não se manifesta contra essa prática, pois hoje é adepta do multiculturalismo que prega que toda “civilização” deve ser respeitada, mesmo se infanticida.

  44. Bel disse:

    Felipe maddu
    Concordo com você, a questão é que falta valores humanos na formação dos alunos onde a ética e disciplinas humanas trariam para completar sua educação. Não basta adquirir conhecimentos e ganhar dinheiro, é preciso saber viver !! É o que hoje falta, a sociedade não está sabendo viver, pois vivem atropelando os direitos dos outros,e isto também é dialético, um efeito dominó. Bom isto é um longo assunto, não é verdade?… Marx tem razão quando fala sobre o materialismo histórico dialético, mas também tem razão quando fala que o homem é construtor de sua história. E a solidariedade assim como a luta de classes é contagiosa!

  45. Bel disse:

    …e Felipe, se esses pobres coitados soubessem de seus direitos e deveres, seriam passados para trás??? Não falo um de ter conhecimento amplo, mas algo básico…. Ou talvez não precisem ter noções de direito mas de serem orientados da importância de sempre consultar um bom advogado. Agora a questão é : descobrir quais são os bons advogados!

  46. Bel disse:

    Dênis, compartilho contigo o sonho de um dia ver o mundo melhor!
    Parabéns e obrigada!!!

  47. Marcelo disse:

    As aulas de História não atrapalham a formação ética e moral de ninguém Bel. Vc está sendo simplista ao afirmar que a História ensina apenas “guerras, manifestações e lutas…”, como se fosse só um amontoado de informações inúteis que as escolas obrigam os estudantes a memorizar.
    A importância do ensino de história e seus objetivos (que vão muito além da mera memorização de nomes de heróis e datas), é tema de um intenso debate que produz toneladas informação sobre a teoria da História.

  48. Marcelo disse:

    Mais, o ensino de História tbm não tem por objetivo transformar jovens em rebeldes protestando por seus direitos. O desenvolvimento do senso crítico (que os bons professores de História buscam promover em seus alunos) é que tem este poder. Na verdade, lutar pelos seus direitos é um grande motor do progresso moral e material da sociedade.

  49. Felipe Maddu disse:

    Mudando de assunto, olha a notícia do Globo e que Gabeira repercutiu em seu twitter: CSA aumentará em 76% o lançamento de dióxido de carbono na atmosfera. Beleza, 3500 empregos, mas que poluição heinnn

  50. Marcelo disse:

    Denis, vc recebeu o meu e-mail? Eu ajudo sim, é só entrar em contato, abraço.

  51. Berenice disse:

    Como nao fiz faculdade de jornalismo…essa informacao a respeito do meu “trio” preferido, para mim e’ novidade. Ouso afirmar que o que voce “aprendeu” na faculdade esta’ errado. Poetas, sim. Sonhadores, talvez. Quanto ao mais…errado. Com capacidade intelectual superior a todos nos, todos os tres “conheciam” o mundo em que viviam, mas simplesmente nao podiam viver diferente pois alem de brutalmente honestos, eram na mesma proporcao inteligentes e iluminados.
    Voce fala em reconstruir o mundo. Como podemos reconstruir o que ainda nao foi destruido? As coisas ainda vao ( e precisam) piorar muito para que finalmente o Homem consiga fazer esse planeta melhor. E’ preciso que antes disso, os realmente “babacas” (provavelmente todos nos) desaparecam do planeta. O problema e’ que a “educacao formal real” e’ quase inexistente na face da terra nos dias de hoje. Tudo o que sabemos e’ que precisamos trabalhar duro, fazer dinheiro e consumir. Assim, ja estamos vivendo em uma lata de lixo. Precisamos urgente de um novo modelo que nos resgate a humanidade perdida.

  52. Anne disse:

    Essa frase de Gandhi sempre será coerente. Já está mais do que provado na História que a solução para os problemas sociais não está nos governos, apesar de passar por eles.
    Acredito que o novo modelo de sociedade deve ser fundamentado na educação para a Justiça. Formar homens e mulheres justos, pela palavra e pelo exemplo, já é grande coisa.

  53. Leonardo Nunes disse:

    Pobres daqueles que um dia acreditaram em “cartilha para seguir”. Hoje não é diferente, pois a necessidade de uma doutrina ainda rege a Humanidade, mas o cinismo é tanto que a própria cartilha jura não ser cartilha… Daí aparecem “executivos” de empresas como a Abril, jurando ser bem intencionados e julgando os cínicos. Burgierman, será q vc realmente acredita não ser cínico, trabalhando para a empresa menos ética do jornalismo brasileiro, citando apenas autores e publicações conservadores, a vomitar teorias no âmbito bem nascido do Primeiro Mundo?

  54. Cristiane disse:

    Olá!

    Muito se fala sobre o aquecimento global, consciência humana dos seus malefícios, cada um fazer a sua parte… precisamos mais que isso! Temos que ir além!
    Existe um sistema capaz (comprovado) de despoluir o ar jogado pelas chaminés e incineradores com toneladas de tóxicos, usando apenas água e equipamentos em série: Sistema Antipoluente 5F (o ar sai limpo, em temperatura ambiente e retém todos os resíduos e odores eliminados – parece mágica, mas é real). Este invento foi feito por um brasileiro que não tem apoio para levar isso adiante, acreditam? Uma coisa que todo mundo procura, pode ajudar contra o aquecimento global e ainda gera investimento para as empresas com os créditos de carbono. Temos a obrigação de colaborar para um mundo melhor!!! Vamos divulgar!!!

    Abraços,
    Cristiane

  55. carlos disse:

    Denis. Quer ver outro aspécto interessante da luta de classes? Nega totalmente o racismo. O que existe é a ideologia do racismo. Sempre voltada contra as minorias e pobres do mundo. Trocando em miudos, o mundo é dividido em pobres e ricos. Assim, caso o poder econômico tivesse se desenvolvido na Africa negra e não na europa, o branco serio discriminado. Lembrando que os italianos foram discriminados e considerados subraças pelos ricos brasileiros no final do século 19.
    Denis. Vc tem idéia de quanto o greenpeace arrecada em doações?

  56. jales estevao da silva araujo disse:

    oiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

  57. berlatto disse:

    Prezado Denis! Gostaria de perguntar ao leitor Leonardo Nunes, qual a empresa que ele considera ética no jornalismo brasileiro. Já que acha que a Editora Abril não é.Será aquela dita chapa branca ou a soldo que só sabe contar as glórias do governo de plantão? Jornalismo independente e corajoso é para poucos no Brasil. Vou mais longe e questiono. Voce acha a Record do Bispo, ética? A minha “doutrina” é a democracia, o livre pensamento, o direito a propriedade, ética na politica, o fim de ideologias jurásicas, tanto de esquerda, direita ou sei lá o que mais. Para finalizar meu caro Denis diria o seguinte: O planeta Terra estaria bem mais adiantado, se Gandhi, Einstein, Chaplin fossem citados a toda hora como exemplos para a humanidade. Chega de cinismo e hipocrisia! Abraços.

  58. carlos disse:

    Denis. Acho que vc e alguns de seus leitores esta usando a expressão errada. Cínico não cai bem, talves hipócrita. Mas se não fosse a hipocresia não existiria sociedade.
    Mas estou escrevendo para dizer exatamente o contrário do que disse o Berlato. O mundo seria muito melhor se as pessoas não tivessem ídolos como einstein, gandi, etc.., ia esquecendo, dalai lama. Esse dalai, especialmente, tenho uma antipatia de outras encarnações. Não sai de hotel 5 estrelas.
    Já que é para ter exemplos de pessoas que de fato fazem a diferença, eu ficaria com bil gates, ford, ermílio, etc…. além é claro, dos famosos historicamente já citados, como nilton, darvim, marx, betouvem, etc..
    Esse pessoal que vc elegeu como exemplo tem muito marketing e pouco resultado prático.

  59. Larissa Veloso disse:

    Pois é, o problema é definir se devemos fazer essa mudança como trabalho ou depois do trabalho…

  60. Wolf disse:

    Denis, antes de Gandhi, os chineses salvo engano já diziam: Antes de começar o trabalho de mudar o mundo, dê três voltas dentro de sua casa. (Provérbio chinês). Isso é ter consciência, e cínicos, hipócritas e sociedade de classes e de consumo são carentes disso. Para se ter consciência, tem que se levar uma tijolada da vida, e olhe lá. E por falar em consciência, um videozinho que acredito, você já conhece: http://www.youtube.com/watch?v=DRJqrLd7MrE

  61. Felipe Araujo disse:

    A humanidade comete o incrível engano de entender que de alguma forma no passado já foi mais humanista, civilizada e de uma forma geral melhor. Eu como jovem me pergunto a qual época esses cínicos e falsos moralistas se referem. A mudança não é apenas constante , como é necessaria e incontrolável.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: