A vida anda muito difícil

Sou só eu que tenho essa sensação ou a vida anda mesmo muito difícil?

Ok, ela nunca foi fácil, mas não é estranho que tudo pareça tão complicado justo agora que a humanidade criou uma infinidade de ferramentas de altíssima tecnologia para facilitar a vida? Há microprocessadores até na sola do tênis, tudo está conectado, estamos mergulhados num oceano de informação com o mundo ao alcance dos dedos 24 horas por dia. A vida não deveria ter ficado mais fácil?

Na verdade não. O mundo ficou mesmo muito mais complexo. Antes vivíamos numa rede simplezinha, com só meia dúzia de conexões. Hoje a rede é infinitamente grande. A cada momento da vida, temos um quaquilhão de opções. Eu posso escrever este texto ou jogar videogame ou ir para a Finlândia ou aprender uma língua ou assistir aos 10 maiores filmes da história do cinema hoje, se eu quiser. E, diante de tantas possibilidades, ficamos imobilizados, ou escolhemos e depois nos remoemos tentando decidir se a escolha foi certa ou errada. Isso causa ansiedade, sofrimento e essa sensação constante de que a vida anda muito difícil.

Em novembro de 2010, me dei conta de que eu não tinha conseguido terminar nenhum livro ao longo do ano. Comecei dezenas, mas sempre troquei por outro que me tentou. O livro interminado ficava lá aumentando a pilha no criado-mudo. Todos os livros da pilha, em algum momento, me pareceram irresistivelmente fascinantes. Mas aí apareceu um outro impulso irresistível e o mais antigo de repente ficou parecendo uma ideia velha, chata. E logo chegaria outro impulso ainda, para tornar velha a ideia quase recém-nascida.

Aí fui viajar pela Amazônia, e fui decidido a mudar isso. Só andei de barco, geralmente viagens de mais do que 30 horas. Nos barcos na Amazônia se viaja na rede. Passei dezenas e dezenas de horas rangendo minha rede, para cá e para lá. Levei dois livros, comprei mais três em mercados de pulgas por lá. Li livros bem bons e outros bem ruins. Terminei todos. Isso me deu uma imensa paz de espírito.

Temos infinitas escolhas à nossa disposição hoje, e isso deveria ser uma coisa boa. Mas, por um mecanismo evolutivamente implantado em nosso cérebro, escolhas são sempre difíceis. Ter tantas não torna a vida mais fácil – torna-a mais difícil. Nossa tendência é escolher coisas demais (porque reduz a sensação de perda) e nos atormentarmos para acomodar tudo na nossa agenda cada dia mais lotada.

Em 2011 o que eu quero para a minha vida é mais foco. Continuarei curtindo meu iPhone e talvez compre um iPad. Não abandonarei a internet. Continuarei respondendo meus emails. Mas abrirei horas e horas e horas do meu dia para me concentrar em algo, a fundo. Passarei horas e horas e horas na rua coletando informações de primeira mão, não em frente a um computador, onde nada acontece. De celular desligado.

20 comentários
  1. fabio disse:

    Perfeita a colocação.

    Me lembrou uma citação de Amy Klink que diz algo como “Um homem precisa viajar, por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros e tevês, precisa viajar, por si, com os olhos e pés, para entender o que é seu …”

  2. Alana disse:

    Muito bom! É isso mesmo, me sinto assim também! Abraços.

  3. Ilma Alves disse:

    A vida anda mesmo muito difícil?
    O mundo ficou mesmo muito mais complexo.
    Ficamos imobilizados,tentando decidir se a escolha foi certa ou errada.
    A vida não deveria ter ficado mais fácil? Na verdade não.Temos infinitas escolhas à nossa disposição, escolhas são sempre difíceis.
    Antes vivíamos numa rede simplezinha, mas a tendência é escolher coisas demais causando ansiedade, sofrimento e essa sensação constante de que a vida anda muito difícil.
    Eu quero para a minha vida em 2011 mais foco e uma imensa paz de espírito.

  4. Verónica disse:

    Parabens pela decisao, Denis! O que eu quero para o 2011 é tranquilidade …eu vou ficar louca com tanta coisa…mas para isso, tenho que decidir, escolher, nao é? jeje…feliz ano novo desde argentina!🙂

  5. jorji disse:

    O celular vive atormentando minha vida, as crianças querem que eu brinque no video-game com elas, as ruas é uma competição por espaço, com aquele barulho e fumaceira, hoje as pessoas nem se reunem em familia para uma refeição, com o advento dos computadores os filhos mal sabem os nome completo dos pais, irmãos, na tv uma infinidade de informações que me enche o saco ( guerras, ecologia, violência , pedofilia, pirataria, hackers, religião, política, informações científicas, etc), a esposa vive reclamando de tudo, o note-book se tornou uma ferramenta inseparável, festas do fim de ano, carnaval, páscoa, aniversários,dia das mães, dos pais, do vovô,dos sogros, casamentos, enterros, etc, ainda bem que nunca vou a uma missa (sou ateu), acompanhar a familia em compra de shopping, um verdadeiro tormento, e nas férias aquela brilhante idéia de se fazer compras, realmente o mundo moderno é um pé no saco!

  6. Chesterton disse:

    Cortei TV a cabo e celular, não uso relógio pois em todo lugar tem relógio. Nãotenho a menor vontade de ter IPAD e sei-lá-o-que. Faça o mesmo e junte esses 4 livros num só e publique.

  7. Luna disse:

    Com tantas opcoes o que realmente foi para o saco foi a sustentabilidade que na verdade para a maioria das pessoas so’ e’ uma palavra moderna e politicamente correta. A unica sustentabilidade viavel e efetiva que vi ate’ hoje foi por parte de individuos corajosos que mudaram suas vidas. Individuos que sobre tudo ousam ser diferente e, por incrivel que pareca, conseguem viver uma vida mais simples e recompensadora. E’ isso que desejo para mim para 2011. Encontrar o caminho da simplicidade. Feliz Ano Novo, Denis…E que voce divida conosco as informacoes de primeira mao. Thks

  8. Lena disse:

    Temos tudo para nos tirar do foco, principalmente a tecnologia.
    Boa sorte na sua empreitada.
    Outro dia, escrevi:

    Vivemos nos dias de hoje
    Como enfermos em UTIs.
    O dia e a noite ligados
    Em redes, cabos e afins.

    Saber sem sair do lugar…
    Amigos até nos confins.

    A pergunta que me faço
    E que teima em não calar:
    Se alguém sucumbir ou sofrer
    No ombro de quem vai chorar?

  9. Carlos N Mendes disse:

    Caro Denis, você não tirou as palavras de minha boca, tirou as sensações de meu espírito. se eu fosse definir os últimos doze meses de minha vida, a palvra seria afobação. Urgência, impaciência, sensação que está se deixando de fazer algo, insônia, enfim – espírito perturbado. Metade dos livros que comprei esse ano não passei da terceira página; tem um que comprei há 3 meses que ainda está no plástico-bolha! A quantidade de tarefas obrigatórias ao longo dos meus dias impressiona a mim mesmo. NÃO ESTAMOS SABENDO CONCILIAR VIDA E TECNOLOGIA. Todos os anos, novas “necessidades” entram permanentemente em nossas vidas, para não mais sair. E, sinceramente, não o sei o que fazer para mudar essa dinâmica sem perder, e perder muito. Detalhe: sou a única pessoa que conheço que jamais possuiu um celular. Imagino como anda a vida de quem me cerca… Um abraço e feliz 2011.

  10. Rafael Fonseca disse:

    Nossas escolhas, invariavelmente, até que aconteçam, podem dar certo ou errado. Existe a possibilidade de 50% para dar certo, ou seja, que aconteça conforme o planejado, e os outros 50% ficam com a possibilidade de erro, ou do implanejado. Enfim, de nada adianta fazer promessas, que hoje são clichês de final de ano, promessas podem não acontecer.
    “cegante ignorância que nos ilude, miseráveis mortais abram os olhos” DaVinci.
    Gostei e concordei com quase todo o conteúdo, apenas descordo do final.

  11. Claudio Rama disse:

    Esse texto me fez lembrar do filme Comer, Rezar e Amar. Realmente concluir tarefas e projetos traz paz de espirito, e com a mesma linha de pensamento que se crê que o recomeçar é be vindo, o replanejar algo já pensado, foi assim que fiz com os livros que não terminei, os vídeos do TEDxSP que não terminei de assistir, os do TED na Holanda… apenas dar a chance de recomeçar…

  12. GUILHERME disse:

    Denis, excelente texto!!! PARABÉNS! FOCO: essa é a palavra de ordem…
    Lena, PARABÉNS também pelo seu poema, muito interessante e esclarecedor.

    Um abraço a todos, excelente 2011, cheio de FOCO e de muita leitura.
    Guilherme

  13. Ana Nava disse:

    OLÁ DENIS.
    Sou uma leitora antiga. Gosto muito do que escreve.
    Há soluções para esta vida difícil e sem foco?
    Talvez deveríamos voltar, então para uma VIDA mais SIMPLES.
    É possível?

    A questão é ficarmos em dúvida com inúmeras opções sobre como é uma VIDA SIMPLES.

    Um abraço.

    ANA
    ANA NAVA

  14. Douglas Siqueira disse:

    Vou compartilhar com vocês uma das minhas conjecturas filosóficas: “Deus é o tempo” que tudo cria e transforma…Utilizar bem o tempo é aproximar-se do divino.
    Ajuste o foco e toque em frente.
    Um forte abraço
    Douglas Siqueira

  15. andré George disse:

    Estamos nos tornando seres raros nesse pula pula doido sem profundidade.

    Um livro, The Shallows (Nicholas Carr. Não tem em portugues ainda, mas comprei justamente na esperança de refletir um pouco sobre a questão.

    Em 2011 eu também quero para a minha vida mais foco.

  16. denis rb disse:

    Pessoal,
    Claro que, foi mal começar o ano, e já comecei a fazer 300 coisas, mandando o foco pro chapéu. Não tinha tido nem tempo de sentar e ler os comentários deste post (eu estava viajando, meio offline, quando ele foi publicado). Li agora e adorei. Obrigado a todo mundo pelas mensagens.

  17. Rener Melo disse:

    É exatamente assim: temos tantas novidades para conhecer à nossa disposição que ficamos malucos correndo atráz de todas elas e nos esquecemos das essenciais.
    E amém: também quero ter foco.
    Beijos, adorei o texto.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: